9º pagina [22/06/1014]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

9º pagina [22/06/1014]

Mensagem por Alan_Vitor em Ter Out 20, 2015 3:45 pm




Hoje ao amanhecer fiquei deitado um pouco mais na cama, olhando para o nada e pensando sobre tudo. Ao me levantar fui aos túmulos dos meus pais, já tinha tempo que eu não ia lá, eles não estavam realmente enterrados lá já que seus corpos foram queimados, era só um amontoado de pedras, mas umas pedras que estavam lá! Estavam lá pra lembrar aqueles que eu nunca me esqueceria.
Após um tempo por lá me recordei daquele dia, quando me aproximei da minha antiga casa e a vi pegando fogo, me lembro de correr para saber o que estava acontecendo e de Albert me avisando que eles estavam lá dentro, também me lembro de tentar entrar na casa e de Albert e Ártis me segurarem. Até hoje os bandidos que fizeram isto não foram pegos e tudo por dezessete moedas de ouro que meu pai tinha guardadas, mas tenho certeza que um dia, eu os vingarei!
Logo após o ocorrido o senhor Harryson disse que tinha outra casa um pouco afastada do condado e que poderia me ceder ela, me colocou para trabalhar com ele na forja e ainda me encorajou a treinar e tentar entrar para o exercito, acho que fez isto após ver minhas péssimas habilidades como forjador.
Depois de me despedir dos meus pais, fui me despedir de outro que também já não estava entre os vivos, o Albert e perante seu tumulo prometi a ele não trilhar uma vida de erros como ele fez no final e consegui realizar o seu sonho de infância, de fazer com que o nome do nosso condado fosse levado adiante, e trazer honra e gloria para os nossos! Muitos devem pensar de que nada vale fazer promessas para os mortos, mas para mim estava valendo e no momento era o que importava.
Logo após os mortos, fui me despedir dos vivos, passei na casa de Ártis e confessei que sentiria falta de suas valiosas informações e nas casas de vários outros que também sentiria falta, deixei para passar na forja do senhor Harryson por ultimo, já havia uns dias que eu não ia lá, não por opção minha. Chegando lá logo avistei o velho anão que ao me ver abriu um grande sorriso, contei a ele tudo que havia se passado e ele parecia já saber de grande parte, ficou fascinado com minhas novas armas e me deu umas boas dicas de como sobreviver andando por ai e me assentiu que se eu tivesse aprendido a andar de cavalo isto agora me seria útil! Mas eu só andaria entre os condados deste reino e não seria uma viajem pelo mundo, não acho que este reino possa ser tão grande...
Me despedi de meu velho amigo forjador o agradecendo por tudo e quando já seguia no caminho de volta avistei Zavahski ao lado de um cavalo, quando pequeno me lembro dele discutindo com meu pai que estava enfurecido como eu nunca tinha visto antes e mesmo antes disto eu nunca gostei dele, sempre com uma expressão seria e sombria, fora os boatos de que ele praticava magia negra, mas como dizia Ártis, num condado pequeno quando não há o que se falar, se inventa! Enquanto o observava guardando grandes bolsas no cavalo e se preparando para partir fui surpreendido por alguém que acharia não ver mais, o andarilho das dunas.
- Matador de moscas! Quero dizer... Allan! O que ainda faz por aqui?
- Me despedindo do pessoal do condado, vou demorar a vê-los novamente.
- Isso se um dia você chegar a vê-los novamente.
- Obrigado pelo pessimismo...
- Realismo!
- Mas e você? Continuará por aqui?
- Não, eu parto hoje também, pois tenho muito que fazer antes de voltar para casa, na verdade perdi tempo demais por aqui.
- Falado nisto, você nunca me disse o motivo de ter vindo para este condado.
- Eu estava passando por perto, e resolvi parar aqui e conhecer este maravilhoso condado e ficando fascinado pelo mesmo eu acabei ficando semanas aqui sem perceber o tempo passar.
- Serio?
- Claro que não garoto... Então já se preparou para deixar todos seus amigos para trás?
- Sim.
- E um grande amor também?
- Não estou deixando nenhum grande amor.  
O andarilho sorriu.
- Como andarilho você vai conhecer muitas garotas e aprender a deixar todas e seguir seu caminho.
- Por que eu deverei deixá-las? – Lhe perguntei intrigado.
-Pra começar porque você tem que percorrer o reino e chegar ao condado de castelo branco antes do dia do alistamento. E Como andarilho você também vai aprender a importância da sua jornada, a deixar para trás aquelas que seu coração pedirá para que não deixe e a ser forte seguindo em frente apesar de tudo! – Yuri olhou para cima e como se pude-se ler um pergaminho oculto nas nuvens calmamente continuou. – Mas, pode acabar achando uma, uma que mesmo que deixe longe de seu coração não conseguirá deixar longe da sua mente, uma que mesmo após messes passados e léguas percorridas continuará a aparecer em seus sonhos, uma que no final da sua caminhada pensará em retornar ao seu encontro, porem tome cuidado.
- Com o quê?
- Se você decidir voltar aos braços de uma mulher após sua jornada esta será sua ultima e dizem que os andarilhos costumam morrer na sua ultima jornada.
Enquanto eu refletia sobre o que tinha acabado de ouvir o andarilho começou a caminhar e já a certa distancia acenou sem olhar para trás dizendo. – Tente não morrer, não quero que o tempo que perdi treinando você tenha sido em vão.
- Não vou! – Gritei para ele que não sei se chegou a ouvir e olhando em volta procurei por algo que deveria estar por lá, não me lembrando o que era voltei para casa.
Já em casa guardei umas roupas numa mochila, uns mantimentos em outra, inspecionei bem um bolso para sempre carregar comigo este diário e embainhei minhas sabres nas bainhas que o senhor Harryson me deu, que sorte a minha ele ter essas duas bainhas de sabres guardadas na sua forja, achei estranho eu nunca ter visto elas por lá e estarem tão bem conservadas se eram velhas como ele falou, mas serviram perfeitamente como se tivessem sido feitas exatamente nas medidas.
Agora estou terminando de relatar tudo nesta pagina para ir dormir, amanha pouco antes do sol nascer eu partirei para minha longa jornada em direção ao condado de castelo branco atrás desse tal de Fred Adler e de informações do paradeiro do visconde Slade, não tenho certeza de como será minha vida daqui pra frente e se sempre terei tempo para escrever aqui, mas sempre que possível virei relatar o que se passou e espero logo aqui escrever sobre minha entrada no exercito do reino de São Salvador!



Quinta-feira, 22 de junho de 1014.
avatar
Alan_Vitor
Soldado

Batalha Cênica Salvador Mensagens : 51

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum