18º pagina [12/07/1014]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

18º pagina [12/07/1014]

Mensagem por Alan_Vitor em Sab Dez 19, 2015 12:53 am





O dia acabará de amanhecer. O canto dos pássaros já é escutado, misturado as vozes e passos de andantes. Que passam pelas ruas, rumo a trilhar seus objetivos, planejados para aquela manhã. Podiam-se ouvir passos, pisando em possas de água, mas não de água caindo do céu. Acho que após uma semana tão molhada, os céus se cansaram de fazer chover. Já se passaram alguns dias, deste meu duelo contra o Visconde Slade. Minhas feridas estão parcialmente curadas. Vejo que é hora de partir! Vou caminhar pelo condado, em buscar de informações, sobre alguma caravana que parta para o meu ultimo objetivo. As terras do duque Ian! Mais tarde, voltarei e relatarei aqui, como foi minha busca.
A escuridão já tomou conta do céu. As pessoas passam, empunhando tochas para iluminar seus caminhos. O frio já começa a arrepiar a pele. E os lobos, uivam para denunciar aos cegos que a noite chegou!
Andei muito pelo condado, mas minha busca teve resultado. Perto da feira, fiquei sabendo de um velho, que acabara de chegar ao condado. Ele liderava uma caravana, com cinco carroças. A maioria das pessoas que seguiam com ele, eram membros de sua família, numa emboscada, teria sempre homens de confiança para lutar. Informaram-me também, que ele vivia viajando. Ganhava a vida, levando produtos de uma região e vendendo em outra. Com sorte, poderia ele estar seguindo para onde eu desejava chegar.
Indo para onde me informaram, vi umas carroças paradas. Uns homens descarregavam algumas caixas de uma e colocavam tecidos em outra. Enquanto uns homens com grandes músculos faziam isto, um outro magro conversava com um gordo perto de uma tenda, possivelmente era ele quem negociava tudo. Olhando mais ao redor notei um senhor sentando perto de uma das carroças, distante do movimento do mercado.
- Deve ser ele! O senhor que lidera a caravana. – Pensei.
Aproximei-me do senhor. Ele tinha uma aparência calma e pacifica, olhava fixamente para o nada, como se enxerga-se algo que ninguém mais pude-se ver. Chegando ao seu lado, fui direto ao ponto.
- O senhor é quem lidera esta caravana?
O ancião se voltou a mim, com uma expressão estranho no rosto e disse. – O que?
- O senhor está liderando esta caravana?
- Olha moço, minha audição não era boa, nem quando eu tinha a sua idade. Agora então...
- É VOCÊ QUEM LIDERA ESSA CARAVANA?
- Há... A caravana. Sou eu sim.
- E o senhor, por acaso vai passar por onde mora o Ian Improta? O duque das dunas?
- Por onde? – perguntou o Velho, virando sua cabeça de lado e colocando sua mão aberta, em volta da orelha.
- Pelo ducado do duque Ian...
- Que duque?
- O duque das duuuunas!
- Há sim. Mas estas são terras muito vastas. Onde mais precisamente, você pretende chegar?
Eu não sabia o que responder! Não sabia nada alem do ducado que o duque residia, mas pensando bem, o duque é uma pessoa conhecida, ele deveria saber onde o duque morava.
- Nas terras onde habita o duque Ian!
- Onde?
- NAS TERRAS DE IAN!
- Ahhhhh, sim. Passaremos por lá sim. É bem perto da nossa parada final.
- Que bom! QUANTO SERIA PARA ME LEVAR ATÉ LÁ?
- Uma moeda de prata, mas aviso que, água e comida serão cobradas separadamente. A viagem é longa...
- Tudo bem, aqui esta. – Lhe estendi a moeda. O Ancião a pegou, mordeu com seus últimos dentes e depois a guardou no bolso.
- Mas, o que te levas a fazer uma viagem longa desta? Estas indo ao encontro de alguém? – Perguntou o senhor, num tom curioso.
- Vou atrás de um nobre, da família Improta para...
- O que?
- Um nobre da família Improta...
- Um o que?
- NOBRE IMPROTA!
- Ta bom. Não precisava responder com ignorância...
- Mas... Eu...
Neste momento, um homem se aproximou e cutucou o ombro do velho. Depois acenou com a cabeça em direção a uma das carroças. Me fez pensar que, teria sido mais rápido, se eu tivesse me comunicado usando sinais com o senhor, também.
- Esta certo, vamos lá! – Se levantou, mas antes de dar um passo, se virou, olhando para mim e disse. – Há sim, meu filho. Este rapaz vai nos acompanhar até perto do nosso destino final... – O homem apenas balançou a cabeça, em sinal de afirmação.
- Partiremos deste local, amanhã ao amanhecer. – Disse o filho do velho.
- Entendido!
Após sair de lá, passei na casa do Visconde Slade para me despedir, mas ele já não se encontrava lá. Tinha saído há algumas horas, para tratar de negócios importantes. Já estava me retirando quando ouvi uma voz, que vinha de dentro da casa me mandando esperar. Virei-me e vi uma mulher de pele clara, cabelos cacheados, dourados como o ouro. Vinha em minha direção com um sorriso no rosto. Ao se aproximar, achei que poderia se tratar da mulher que vi conversando com o Visconde, quando o vi pela primeira vez, neste condado.
- Faz bastante frio, nas noites das colinas. Tome esta capa, lhe será útil. – Disse a mulher misteriosa, estendendo a mim uma capa negra.
- Colinas? Que colinas? Acho estar me confundindo com outra...
- Apenas aceite o presente, Allan.
- Tudo bem... Obrigado. – Respondi a ela pegando a capa.
Retornei para o estábulo já perto do anoitecer. E estou agora terminando de relatar todo o ocorrido antes de comer algo e ir dormir. Amanhã terei que acordar cedo.
Há sim, agora observando mais cuidadosamente, existe um emblema com uma sereia, costurada na ponta da capa. Fiquei intrigado em relação a isto...



Quarta-feira, 12 de Julho de 1014.


avatar
Alan_Vitor
Soldado

Batalha Cênica Salvador Mensagens : 51

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum